A região de Mata Atlântica está no topo das estatísticas mundiais de perda de habitat e biodiversidade, com mais de 93 por cento da floresta original já devastada, e grande parte do restante confinado a pequenos fragmentos e, na sua maioria, em decrepitude.

Estamos sediados na região onde ocorria a Mata Atlântica brasileira.

A região de Mata Atlântica está no topo das estatísticas mundiais de perda de habitat e biodiversidade, com mais de 93 por cento da floresta original já devastada, e grande parte do restante confinado a pequenos fragmentos e, na sua maioria, em decrepitude.

Os fragmentos de Mata Atlântica original remanescentes continuam a se deteriorar quer seja pelo seu uso direto como pela caça e contaminação biológica.

Aproximadamente 12 anos atrás, a “Conservation International” selecionou a Mata Atlântica como um dos seus mais importantes “hotspots” prioritários para a conservação da biodiversidade em todo o mundo.

O “hotspot” Mata Atlântica é sem dúvida o ecossistema mais devastado e o mais ameaçado do planeta. Cerca de 3.000 espécies de plantas, 35 de mamíferos e 104 espécies de aves estão ameaçadas. Perto de 70 por cento dos brasileiros vivem dentro da distribuição original da Mata Atlântica e três dos maiores centros urbanos do continente também estão localizados aí.